O recurso é realizado para diagnosticar doenças e para auxiliar na coleta de material para exame citológico

Recurso eficaz na medicina veterinária, a ultrassonografia (US) abdominal não é invasiva, não emite radiação e não causa dor no animal e, por gerar imagens ricas em detalhes, é frequentemente indicada pelos médicos-veterinários como exame complementar à avaliação clínica. Ela auxilia no diagnóstico de diversas doenças, como endocrinopatias, problemas hepáticos, renais, tumores malignos e benignos e é capaz de identificar alteração no tamanho de órgãos, verificar a existência de metástases e mensurar alterações nas glândulas adrenais (veja a lista completa abaixo), entre outras análises.

Através do Doppler, a US também permite a avaliação do fluxo sanguíneo de artérias e veias dentro de órgãos e tecidos .

Realização de exame ultrassonográfico

Antes da realização da US abdominal, é feita a administração de dimeticona para eliminação de gases intestinais. O animal de estimação geralmente não precisa ser sedado para o exame, mas é necessário que fique deitado de barriga para cima, com o pelo da região abdominal raspado para a aplicação do gel. A duração é de aproximadamente 30 minutos e o animal é liberado logo após a conclusão. O exame é então enviado ao médico-veterinário que o solicitou por e-mail ou impresso, com indicações das anomalias encontradas.

Equipamento

Para realizar a US abdominal, o Visiovet – Diagnóstico Veterinário possui um equipamento moderno, que permite imagens bem definidas para dignósticos seguros.

Posicionamento do trandutor e introdução de agulha de biópsia

Auxílio na coleta de material

A US abdominal também é utilizada para guiar a coleta de material para exame citológico. A punção guiada é indicada para diagnósticos de abscesso, neoplasias e más-formações.

Nesse procedimento, uma seringa acoplada a uma agulha é introduzida na região suspeita para aspiração de pequenas alíquotas do órgão ou estrutura que tenha apresentado alguma alteração no exame clínico. Na avaliação citológica, é feita uma análise da população celular obtida em relação à morfologia e às características das células e de seus elementos. Por ser guiada pela ultrassonografia, há maior assertividade quanto ao local que está sendo puncionado. Dependendo da região da punção, do comportamento do animal e da presença de dor, pode ser necessário sedação para que o exame ocorra de forma mais segura e sem desconforto para o paciente. Para sedação, o tutor deve assinar um termo de responsabilidade.

A ultrassonografia abdominal é indolor, sem radiação e não invasiva. Ela é muito utilizada na medicina veterinária por auxiliar no diagnóstico de várias doenças, como alterações pancreáticas, hepáticas e nos órgãos reprodutores femininos e a existência de tumores nos órgãos da cavidade abdominal.